sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

TIPOS DE MERGULHOS - EM ÁGUAS DOCES E SALGADAS

Mergulho

É praticado para observar as belezas subaguáticas em mares, rios, lagos e lagoas. Existem 2 formas. o livre, com uso do snorkel e máscara e o autônomo, que utiliza equipamento de ar-comprimido.
Existem 4 modalidades de cursos:

Mergulho básico

Com aulas teóricas sobre física do mergulho, equipamentos, fisiologia do mergulho, tabelas de descompressão, planejamento do mergulho, sinais e outras técnicas e procedimentos relativos ao assunto. Geralmente a prática é feita em piscinas e o batismo é feito em lagos, rios, mares e lagoas.

Mergulho avançado

Esta segunda etapa se divide em:


Mergulho noturno

Mergulho profundo

Orientação submersa - ensina a orientação usando o meio ambiente como referência ou através de equipamentos.

Busca e recuperação

PESCA ESPORTIVA - TIPOS DE PEIXES DO ESTADO DE MATO GROSSO

PEIXES DE MATO GROSSO


Tipos de Peixes  presentes nos Rios de Mato Grosso

obs: clik em cima dos nomes de cada peixe que abrirá uma página com as informações detalhadas de cada um

Fonte: IBAMA/PNDPA - Desenhos: Lester Scalon

DESTINO DE PESCA ESPORTIVA - NO ESTADO DE MATO GROSSO

clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
clique na imagem para ampliá-la
Um dos melhores destinos para pesca e ecoturismo do Brasil, o Estado é recortado por rios piscosos, mesclando as regiões do Pantanal e Amazônica. Existem duas bacias hidrograficas a do Rio Amazonas, que é formada pelos rios Araguaia, das Mortes, Xingu, Juruema, Manuel Teles Pires e Roosevelt. A bacia do Paraguai é formada pelo rio Cuiabá e seus afluentes. Na divisa com o Mato Grosso do Sul, no encontro dos rios Cuiabá e Paraguai fica o paraiso ecolôgico - Parque Nacional do Pantanal.

Clic abaixo e confira Localidades:

FONTE -  http://www.guiapescaelazer.com.br/index.php?cod=aWQ9Y2lkYWRlO2NpZD1CYXLjbyBkZSBNZWxnYedvO3VmPU1U

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Pantanal Mato-grossense




No Pantanal Mato-grossense, tanto a chuva como a seca definem o cenário que o visitante irá encontrar. O período de seca é considerado o melhor para visitação turística, pois é quando os animais circulam mais livremente e aumenta a chance de ver animais como: onças, jacarés, capivaras, cervos, ariranhas, tatus, lobetes, além dos pássaros como: tuiuiu, garças, nhuma etc. O período vai de maio a setembro.
De janeiro a março, chove muito e o calor é intenso. Outubro e novembro são os meses mais quentes com temperatura que pode chegar a 46°C. 

Na chuva, o passeio passa a ser de barco e os mamíferos se deslocam para as regiões mais altas. 

Os campos alagados passam a ser povoados por patos, jacarés e peixes, em busca de alimento entre as plantas aquáticas.

Fonte: Mtur

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Pesca Esportiva no Pantanal



A beleza do Pantanal deve-se principalmente à sua peculariedade geográfica. Numa área extremamente plana, com altitudes que não ultrapassam os 200 metros acima do nível do mar, a região apresenta um declive entre os extremos norte e sul de menos de 3 cm por quilômetro. É essa característica que faz com que dois terços do seu território se transformem periodicamente em descampados ou imensas lagoas, num movimento constante que dita os hábitos da população, da fauna e da ictiofauna local.

Embora, com em qualquer local do planeta, apareçam de tempos em tempos mudanças radicais e inesperadas, os ciclos climáticos do Pantanal, funcionam mais ou menos assim:
De dezembro a março chove muito, a vegetação ganha nova vida; os animais e aves migram para as parte mais altas, concentrando-se à beira das estradas que resistem à inundação; os peixes num processo instintivo e biológico, procuram as corredeiras nas nascentes dos rios.
Em abril e maio as chuvas cessam, mas o cenário é quase o mesmo, pois o nível das águas é muito alto.

Junho e julho são os meses dos quais se pode ter um misto dos dois mundos pantaneiros, o seco e o da cheia. O nível da água começa a baixar e peixes, animais e pássaros são mais abundantes. Sem esquecer é claro, que durante esses dois meses a probabilidade de se confrontar das inesperadas e passageiras frentes-frias vindas do sul é bem maior.
De agosto a novembro percebe-se o nível da água baixar sensivelmente, pondo a descoberto os barrancos e as praias nas margens do rio.

Nos últimos anos, num ritmo crescente, homens e bichos nativos vem dividindo seu território com turistas munidos de varas, carretilhas, máquinas e binóculos. É aí que entra em cena uma as atividades mais procuradas pelos visitantes nos últimos anos, o turismo da pesca esportiva e amadora.

Pescar no Pantanal é o sonho de todos os amantes deste esporte. Mesmo para aqueles que já estão acostumados a exercitar sua paciência, técnica e valentia, à bordo de um barco pelas piscosas águas pantaneiras, sempre haverá uma nova emoção a ser experimentada - um novo local, um rio diferente ou um peixe nunca antes pescado. A bem da verdade o Pantanal não é só um imenso reduto de pesca, como muita gente imagina. É um paraíso intocado, que deveria ser visitado por milhares de turistas durante o ano todo. Mas a maioria de donos de HOTÉIS e barcos turísticos da região ainda não tomaram consciência disto. E quando chega novembro, até o final de janeiro, tudo lá entra na mais profunda "hibernação", apesar de ser o período em que o Pantanal é mais bonito de ser ver - verão de 40°C, rios com nível d'água bem baixos, lagoas secando, piracema, flores exóticas brotando por todo lado, bandos de tuiuiús, jacarés, antas, capivaras, uma bicharada sem fim, esbanjando euforia.

Para que o amante da pescaria chegue ao Pantanal, traçaremos três principais rotas ou caminhos para o mundo alagado: - a Rota Norte, a Rota Oeste e a Rota Sul.

HOTEL PANTANAL NORTE



HOTEL PANTANAL NORTE está localizado em uma das regiões mais fascinantes do Pantanal, a 245km de Cuiabá, a capital de Mato Grosso, e a 145Km do município de Poconé.
Como Chegar ?
Pelo Ar

Sua viagem maravilhosa começa no Aeroporto Marechal Rondon, situado no município de Várzea Grande, próximo da capital do Estado. A bordo de um avião bimotor é feito um vôo panorâmico de aproximadamente 50 minutos até a pista do HOTEL.

Por Terra

Chegando em Cuiabá, segue-se viagem pela Rodovia BR-070 (100km de estrada pavimentada) até o município de Poconé. Continuando o trajeto pela Rodovia Transpantaneira (145km de estrada de terra) passando por 120 pontes de madeira e 2 de concreto, chega-se ao HOTELPANTANAL NORTE.

Durante o período da seca nos meses de Julho a Outubro é possível observar no decorrer do percurso muitos jacarés, capivaras, pássaros de várias espécies, como tuiuius, araras, garças, colhereiros, cardeais, não deixando de mencionar as onças, emas, cervos ... O total do trajeto é de aproximadamente 245 km percorridos em média por 4 horas na época da seca, nas cheias este tempo pode ser mais prolongado, dependendo das condições das estradas.
Por Água

O acesso também é possível, saindo da Capital pelo rio Cuiabá, ou também saindo de Poconé em Porto Cercado.

HOTEL dispõe de serviço de transporte somente aos acessos aéreo e terrestre.
Dados da Pista de Pouso do HOTEL

Denominação: Porto Jofre (SJQI)
Coordenadas geográficas: 17° 21' 46" S; 056° 46' 42" W
Dimensões da pista: 1.200 x 30 metros
Natureza do piso: cascalho
Designação da pista: 01/19
Condições operacionais: VFR DIURNO
Mapa