quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Cooperativa Mista de Produtores Rurais de Poconé Ltda. - COMPRUP


A Cooperativa, criada em 1995, expandiu sua área de comercialização de Poconé à Cuiabá, fortalecendo a produção e comercialização dos produtos das comunidades rurais.
.: OFERECEMOS

Cooperativa sediada no Município de Poconé, no Mato Grosso, que comercializa farinha de mandioca e derivados da cana-de-açúcar dos produtores rurais da região.
.: CONTATO

Avenida Trabalhadores, s/n , Centro,
Poconé - MT
CEP: 78175-000

Telefone: (65) 3345-2363

- See more at: http://www.madeinforest.com/?empresa/home/tip/produto/oid/1287#sthash.QKdwlaWr.dpuf

Sobre a Central do Cerrado



A Central do Cerrado é uma central de cooperativas sem fins lucrativos estabelecida por35 organizações comunitárias de sete estados brasileiros (MA, TO, PA, MG, MS, MT e GO) que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado.

Funciona como uma ponte entre produtores comunitários e consumidores, oferecendo produtos de qualidade como: pequi, baru, farinha de jatobá, farinha de babaçu, buriti, mel, polpas de frutas, artesanatos, dentre outros, que são coletados e processados por agricultores familiares e comunidades tradicionais no Cerrado.

A Central do Cerrado fornece produtos para restaurantes, empórios e pequenos mercados, oferece coquetéis e lanches para eventos, atende encomenda individuais, cestas personalizadas e para grupos organizados de consumo.

Além de promover a divulgação e inserção dos produtos comunitários de uso sustentável do Cerrado nos mercados locais, regionais e internacionais a Central do Cerrado serve também como centro de disseminação de informações, intercâmbio e apoio técnico para as comunidades na melhoria dos seus processos produtivos, organizacionais e de gestão.

A Central do Cerrado opera dentro dos princípios e conceitos do Comércio Justo e Solidário, tendo como objetivo promover a inclusão social através do fortalecimento das iniciativas produtivas comunitárias que conciliam conservação do Cerrado com geração de renda e protagonismo social.


Pedidos podem ser feitos diretamente por telefone ou email:

Central do Cerrado

(61) 3327 8489

COMPRUP – Cooperativa Mista de Produtores Rurais de Poconé (MT)


COMPRUP

A Comprup surgiu da necessidade de fornecer opções de renda para as populações que vivem nas áreas de reforma agrária e em comunidades tradicionais de Poconé, em Mato Grosso. A versatilidade do baru chamou a atenção da cooperativa, que passou a estimular seus associados a se dedicarem à coleta e beneficiamento dessa planta, garantindo renda extra para mais de 200 famílias de pequenos agricultores.

Dos assentamentos e das comunidades locais vem a matéria-prima para a fabricação de farinha multimistura, a castanha e a farinha à base de baru. A indústria, instalada na sede da cooperativa, vende de 150 a 200 quilos de castanha de baru torrada por semana. A produção dá à Comprup capacidade para negociar a castanha em outras áreas do país, como nos estados de Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Goiás e São Paulo.

Além do baru, a Comprup também comerciliza açúcar mascavo, farinhas multimistura, de banana e bocaiúva, rapadura de mamão, mandioca e baru, farinha de mandioca, pinga de alambique, banana frita e balinha de banana. Fornece também produtos in natura, como banana, abóbora, mandioca e verduras.

Cidade: Poconé – MT

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

“Oração de agradescimento a Deus pelo alimento que aprendi na casa da família Crott” em Santa Rita do Passa Quatro - SP

Sê Tu presente aqui Senhor!
Cantemos Juntos em Teu Louvor!
As Bençãos nos dá com o comer!
Que nos quiseste conceder, AMÉM !


Quando se trata da culinaria mato-grossense, a gente agradesce com muita alegria e pressa muita para comer, comer e comer ! 

Mas Deus realmente é o responsável pelo nosso alimento de cada dia ! 

O pão nosso de cada dia “ELE”nos dá!!

Cultura em Mato Grosso



Cultura em Mato Grosso 

Aqui, Cultura é a alma da gente. Um estado de tamanho continental como é Mato Grosso, traz em seu bojo colonizatório, uma enorme diversidade cultural. Somos filhos de indígenas, negros e brancos europeus, que aqui aportaram sob a égide da conquista bandeirante, e em busca da enorme riqueza mineral desta terra. 

Foi dessa mistura racial que se originou o povo mato-grossense, que conforme denominação usada pelo linguajar cuiabano (falado nos 13 municípios da baixada cuiabana, onde se encontram as mais antigas cidades deste estado), é o povo de “Tchapa-e-crux”. Desta forma, a 265 anos atrás, e isolados geograficamente, o mato-grossense começou a cultivar hábitos que, somados, deram origem à nossa cultura de raiz. 

Houve, nos anos 70, um novo boom colonizador, e o sertão mato-grossense foi desbravado por novos bandeirantes, vindos do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul, Nordeste e da vizinha Goiás. De lá para cá, pouco a pouco, os hábitos, crenças e costumes arraigados na nossa gente, foram se descaracterizando, tomando formato de modernidade, de aproximação geográfica. O mundo se instalou em Mato Grosso, e a gente daqui abriu os braços para receber o novo. 

Mas a história resiste a tudo. Assim, nossos povos indígenas ainda falam suas línguas de origem, têm suas crenças e hábitos enquanto se tornam doutores, escritores ou caciques modernos e informatizados. Nossos negros carregam consigo as raízes, alegrias e sofrimentos dos quilombos, antes isolados fazendo-os ser reconhecidos como espaços históricos de geração de cultura. Nossos brancos, de falar espanholado, de olhar bugre e coração gigante, que se abriram para as finezas das grandes cidades e dos estados economicamente avançados, continuam a lotar as festas de santos, as rodas de siriri e cururu, os bulixos, e as calçadas de nossas cidades. 

Mato Grosso é isso: Cultura em movimento, viva, ativa, surpreendente. E esse quadro de diversidade é encontrado nas mais diferentes manifestações culturais através dança, da gastronomia, do teatro, da música, da literatura, do áudio visual. 

CULTURA POPULAR:


- Viola de Cocho; 
- Festival de Cururu e Siriri; 
- Festa de São Benedito; 
- Festa do Divino; 
- Festança de Vila Bela; 
- Cavalhada de Poconé; 
- Carnaval dos Mascarados em Guiratinga; 
- Encontro Nacional de Violeiros de Poxoréu; 
- Circuito de Quadrilhas do Araguaia

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

CONSCIÊNCIA NEGRA - Sejudh celebra dia com eventos em Cuiabá e Poconé




ARTHUR ORTON
Assessoria/Sejudh-MT

A Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh-MT) celebrará o Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, na próxima semana com dois eventos organizados pela Superintendência da Promoção da Igualdade Racial de Mato Grosso (Suppir).

Um dos primeiros estados a incluir a data no calendário de comemorações, como lembra o superintendente da Suppir, Pedro Reis, Mato Grosso “serve de referência para outros” e, além do feriado estadual dia 20, realiza na quarta-feira (19), na Praça da República, em Cuiabá, o “Tranças Negras na Rua”, no qual cabelereiros irão fazer penteados “afros” gratuitamente em duas tendas, entre 8h e 15h. Às 17h, o evento será encerrado com a eleição do melhor modelo e penteado, nas categorias masculino e feminino.

Neste domingo (16), em Poconé aconteceu o “X Encontro em Comemoração ao Dia da Consciência Negra”, realizado pelos quilombolas na Comunidade Cágados, entre 6h e 17h15. Durante o evento serão distribuídos gibis e folders da Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo (Coetrae), das 13h30 às 14h. Participam o secretário adjunto de Direitos Humanos, Valdemir Pascoal, e a secretária da Coetrae, Arianna Lópes.

Mais de mil cidades param em homenagem a Zumbi



CONSCIÊNCIA NEGRA


ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
Agência Brasil

O Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, foi instituído oficialmente pela lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, o então líder do Quilombo dos Palmares – situado entre os estados de Alagoas e Pernambuco, na região Nordeste do Brasil. Zumbi foi morto em 1695, na referida data, por bandeirantes liderados por Domingos Jorge Velho.

Comemorado há mais de 30 anos por ativistas do movimento negro, a data foi incluída em 2003 no calendário escolar nacional. Contudo, somente a Lei 12.519, de 2011 instituiu oficialmente o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra.

A data é feriado em mais de mil cidades brasileiras. A lista completa de 1.044 cidades brasileiras onde dia 20 de novembro é feriado oficial, com a respectiva lei que regulamenta a data, pode ser conferida em levantamento realizado pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), órgão ligado à Presidência da República.

Em Mato Grosso uma lei de 2002 determina feriado do Dia da Consciência Negra em 20 de novembro em todos os 141 municípios do estado.

Confira a data em outros estados:

Acre: o 20 de novembro não é feriado oficial em nenhum município. 

Alagoas: de acordo com a Lei Estadual n° 5.724 de 1995, todos os municípios do estado de Alagoas tem feriado no Dia da Consciência Negra.

Amazonas: desde 2010, por força de uma lei estadual, o dia 20 de novembro passou a ser considerado feriado em todos os municípios do Amazonas. A capital Manaus também tem uma lei municipal que decreta 20 de novembro feriado do Dia da Consciência Negra.

Amapá: a Lei Estadual Nº 1169, de 2007, garantiu feriado oficial em 20 de novembro em todas as cidades do estado do Amapá.


Bahia: apenas três municípios baianos têm o Dia da Consciência Negra no calendário oficial de comemorações: Alagoinhas, Camaçari e Serrinha. Em todos eles, o feriado foi determinado por lei municipal.

Ceará: no estado do Ceará, o Dia da Consciência Negra não é feriado em nenhum município.

Distrito Federal: Distrito Federal não tem feriado para comemorar o Dia da Consciência Negra.

Espírito Santo: as cidades de Cariacica e Guarapari têm feriado oficial no dia 20 de novembro, por determinação de leis municipais.

Goiás: quatro cidades goianas celebram oficialmente o Dia da Consciência Negra em 20 de novembro: a capital Goiânia, Aparecida de Goiânia, Flores de Goiás e Santa Rita do Araguaia.

Maranhão: apenas o município de Pedreiras terá feriado no dia 20 de novembro, garantido por uma lei municipal de 2008.

Minas Gerais: 11 cidades mineiras têm feriado do Dia da Consciência Negra em 20 de novembro: Além Paraíba, Betim, Guarani, Ibiá, Jacutinga, Juiz De Fora, Montes Claros, Santos Dumont, Sapucai-Mirim e Uberaba. Em Belo Horizonte não haverá o feriado.

Mato Grosso do Sul: só a cidade de Corumbá tem feriado oficial em 20 de novembro, por força de lei municipal de 2008.

Paraíba: o 20 de novembro é oficialmente feriado apenas na capital, João Pessoa.

Pará: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Paraná: só duas cidades paranaenses, Guarapuava e Londrina, tem feriado oficial no 20 de novembro. Nos dois casos, o feriado foi determinado por lei municipal de 2009.

Pernambuco: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Piauí: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Rio de Janeiro: Lei estadual de 2002 garante o feriado do Dia da Consciência Negra em todos os municípios cariocas.

Rio Grande do Norte: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Rio Grande do Sul: desde 1987, uma lei estadual determina que o 20 de novembro é feriado em todos os municípios gaúchos.

Rondônia: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Roraima: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

São Paulo: não há uma lei estadual que determine o feriado de 20 de novembro no estado. Entretanto, a data está no calendário oficial de 101 cidades por leis municipais, incluindo a capital São Paulo. São eles: Aguai, Águas Da Prata, Águas De Sao Pedro, Altinópolis, Americana, Américo Brasiliense, Amparo, Aparecida, Araçatuba, Aracoiaba da Serra, Araraquara, Araras, Atibaia, Bananal, Barretos, Barueri, Bofete, Borborema, Buritama, Cabreuva, Cajeira, Cajobi, Campinas, Campos do Jordão, Canas, Capivari, Caraguatatuba, Carapicuíba, Charqueada, Chavantes, Cordeirópolis, Cruz das Almas, Diadema, Embu, Embu Das Artes,Estância De Atibaia, Florida Paulista, Franca, Franco Da Rocha, Francisco Morato, Franco da Rocha, Getulina, Guaira, Guarujá, Guarulhos, Hortolândia, Ilhabela, Itanhaem, Itapecerica da Serra, Itapeva, Itapevi, Itararé, Itatiba, Itu, Ituverava, Jaguariúna, Jambeiro, Jandira, Jarinu, Jaú, Jundiaí, Juquitiba, Lajes,Leme, Limeira, Mauá, Mococa, Olímpia, Paraíso, Paulo de Faria, Pedreira, Pedro de Toledo, Pereira Barreto, Peruíbe, Piracicaba, Pirapora do Bom Jesus, Porto Feliz, Ribeirão Pires, Ribeirão Preto, Rincão, Rio Claro, Rio Grande Da Serra, Salesópolis, Salto, Santa Albertina, Santa Isabel, Santa Rosa de Viterbo, Santo André , Santos, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São João Da Boa Vista, São Paulo, São Roque, São Vicente, Sete Barras, Sorocaba, Sumaré e Suzano.

Sergipe: não é feriado em 20 de novembro em nenhuma cidade do estado.

Tocantins: só o município de Porto Nacional tem, por lei municipal, feriado no 20 de novembro.


Fonte: Me. Claudio Fernandes e Portal R7

TREINAMENTO ANDA BRASIL - REDE TRAF REDIRECIONAMENTO



UNISOL BRASIL realiza uma Oficina de Elaboração do Plano de Rede em Cuiabá - Mato grosso



Aconteceu em Cuiabá - Mato Grosso a Oficina de Elaboração do Plano de Rede que foi realizada pela UNISOL BRASIL, com a participação do Sr. Alécio Mascarenhas Assessor da diretoria UNISOL Brasil e o Representante da UNISOL em Mato Grosso Sr. Geraldo Donizeti lúcio,  com o objetivos de Construir de forma participativa o planejamento da Rede, subsidiando assim o Plano de Trabalho da Rede MT. 

A Referida oficina aconteceu no dia 07 de novembro de 2014. (Sexta feira), no Auditório do MT – Criativo, na Secretaria Estadual de Cultura, no Antigo Grande Hotel, na rua Joaquim Murtinho, esquina com a Getúlio Vargas, Centro de Cuiabá e teve vários representantes das entidades envolvidas na Rede, 

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), através da sua Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES) e a Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários (UNISOL Brasil), que tem por objetivo: Implementar ações de apoio às Redes de Cooperação Solidária nos processos de gestão, planejamento e controle social, buscando ampliar e qualificar a estratégia de desenvolvimento territorial com foco na dinâmica do Programa Brasil Sem Miséria do Governo Federal.

Através de um produto de consultoria espera-se cumprir os requisitos do referido convênio e fornecer dados relevantes para o estabelecimento de planos de trabalho adequados entre a UNISOL Brasil e as redes. É objetivo também apoiar a formulação e consolidação de políticas públicas adequadas ao fortalecimento de empreendimentos e redes de economia solidária.

A Rede Solidária Mato Grosso está sendo criada através da aliança de 06 empreendimentos produtivos de três municípios do Território da Cidadania Baixada Cuiabana, especificamente nos municípios de Cuiabá, Poconé e Nossa Senhora do Livramento. 

Agriverde- Associação dos Agricultores e Agricultoras Afrodescendentes da Comunidade Tradicional de Capão Verde.

Associação dos Agricultores Familiares Da Comunidade De São Jeronimo Do Município De Cuiabá-MT.

Associação da Comunidade Negra Rural Quilombo Ribeirão Da Mutuca.

Associação dos Apicultores Produtores de Mel de Mato Grosso.

Cooperativa dos Produtores Rurais Do Cinturão Verde de Cuiabá.

Associação do Núcleo de Produção Rural Mista Do Cinturão Verde de Cuiabá

A Rede terá como prioridade atuar na organização de ações colaborativas entre os empreendimentos, em busca de um melhor desempenho com resultados comerciais, capaz de fortalecer os agentes, envolvendo os aspectos de sensibilização, mobilização, motivação, inovação, capacitação e desenvolvimento da gestão, bem como o aperfeiçoamento dos processos dos fluxos de produção, aspectos essenciais para o setor da agricultura e agroindústria. 

A Rede Solidária Mato Grosso é uma iniciativa nova, não tendo ainda nenhuma relação com o Projeto Redes UNISOL Brasil/SENAES. No entanto os empreendimentos individualmente tem excelentes relações com a representação estadual da UNISOL Brasil o que permite um conhecimento prévio da realidade dos empreendimentos participantes. 

A entrada da Rede no projeto, fortalece os laços com a UNISOL Brasil ao tempo que fortalece os empreendimentos pela representatividade e relevância do projeto.

Dessa forma a Rede avalia que das ações dispostas anteriormente no Plano de Implementação das Ações é importante que este projeto favoreça os processos de consultoria e capacitação